• Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    30 milhões de pobres no mundo ajudados

  • Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    "Eu gostaria de envolver o mundo em uma rede de caridade"

Desde as origens até hoje

A Sociedade São Vicente de Paula foi criada em Paris, no ano de 1833, por um pequeno grupo de estudantes católicos liderados por Frédéric Ozanam. Da pequena conferência de caridade até os dias de hoje, a Sociedade se desenvolveu pelo mundo, realizando assim o desejo de seu fundador: “ Eu gostaria de envolver o mundo inteiro em uma rede de caridade ”.

Nascimento da Sociedade São Vicente de Paulo

archives paris XIX

No início do século XIX, Paris está envolta em agitações sociais e políticas. A revolução de Julho representou um golpe fatal para a antiga monarquia bourbônica. A religião está em declínio; o ateísmo ganha terreno. Um grande número de agricultores deixa o campo para procurar trabalho nas grandes cidades. Quando chegam, a maioria deles não encontra nada além do desemprego, dos baixos salários, ou de usinas fechadas devido à agitação política.

Em 1832, uma epidemia de cólera se propaga em Paris, matando mais de 1200 pessoas por dia. Nas favelas que se formaram na periferia da capital, milhares de pessoas vivem sem recursos, alguns na miséria total. Frédéric Ozanam, então jovem estudante, todos os dias atravessava o subúrbio para ir para a universidade, e ele foi profundamente tocado pelo grande desespero das famílias dizimadas pela epidemia. Ozanam e alguns amigos – que se reuniam sempre em conferências onde se falava de História, decidiram se reunir entre cristãos, não para falar, mas para agir: fazer uma Conferência de Caridade. Emmnuel Bailly aprovou o projeto, forneceu como local o escritório da redação do Tribune Catholique e aceitou de dirigir o novo agrupamento.

A primeira reunião ocorreu em 23 de abril de 1833, perto da igreja Saint Sulpice, contendo: Emmanuel Bailly; Paul Lamache; Félix Clavé, Auguste le Taillandier; Jules Devaux; François Lallier e Frédéric Ozanam. Estipulam a realização de uma reunião semanal, e como atividade fundamental a visita dos pobres em domicílio. O grupo elege como padroeiro São Vicente de Paulo e se coloca sob a proteção da Virgem Maria. A equipe entra em contato com uma Irmã de Caridade, Irmã Rosalie Rendu, quem organizava a distribuição de socorro do escritório de benfeitoria do bairro da rua Moufettard (no décimo segundo distrito de então) Nasceu ali a Sociedade São Vicente de Paulo.

Uma forte expansão

Frédéric Ozanam escrevia em 24 de julho de 1834: “ Eu gostaria que todos os jovens de cabeça e de coração se unissem para alguma obra de caridade e que se formasse, por todo o país, uma vasta associação generosa para o alívio das classes populares ”. Seu desejo não tardou a se realizar: no fim do mesmo ano, o grupo contava com mais de 100 membros! Era necessário planejar para se dividir. Em 24 de janeiro de 1835 são criadas duas seções, Ozanam se tornou vice-presidente da primeira. O interior do país segue o movimento: Os estudantes, após obterem seus diplomas, fundam Conferências: Nîmes em 10 de fevereiro de 1845, Lyon em 16 de agosto de 1836, em seguida Rennes, Nantes...De 1836, foi necessário criar um “Conselho de Direção”, que depois foi batizado de Conselho Geral, nome em vigor desde então.

Depois do interior, o contágio ultrapassa as fronteiras. Roma em 1842, seguida da Bélgica, Escócia; Irlanda em 1843, Inglaterra em 1844, e nos anos seguintes: Alemanha, Holanda, Grécia, Turquia, Estados Unidos, Suíça, Canadá, Áustria, Espanha...27 anos depois de sua fundação, a Sociedade contava com 2500 Conferências no mundo e reunia 50.000 membros. Seu orçamento representava cerca de 4 milhões de francos da época.

As mulheres dentro da Sociedade

No princípio, as mulheres estavam praticamente ausentes da Universidade, então não participaram da criação da Sociedade. Todavia, mesmo com a existência de outras organizações caritativas femininas como as Filhas da Caridade, fundada por São Vicente e Louise de Marillac, elas desejaram se juntar à Sociedade aderindo às regras fixadas por seus fundadores. É por isto que, em 10 de janeiro de 1856, Celestina Scarabelli funda em Bolonha a vertente feminina da Sociedade São Vicente de Paulo. As duas vertentes se uniram em 20 de outubro de 1967, durante uma Assembléia Internacional em Paris, e, alguns meses mais tarde, ocorreu a fusão entre a Sociedade e o Movimento Louise de Marillac.

A SSVP até nossos dias

A Sociedade passou por múltiplas provas, uma revolução, três guerras. De 1861 à 1870 a circular Persigny ordenava a "dissolução" dos Conselhos resultando em um adormecimento temporário da Sociedade na França. O conflito mundial de 39-45 foi assassino, fazendo desaparecer as Conferências.

Ela foi exposta à ideologias anti-cristãs que forçaram os irmãos de alguns países a cessarem suas reuniões, consideradas como subversivas, e entrar na clandestinidade. Hoje em dia a Sociedade continua sua expansão, principalmente nos países em desenvolvimento, que agora reúnem dois terços das conferências. Esta nova repartição faz da SSVP uma precursora na reflexão e na ação em favor do desenvolvimento com os parceiros do Terceiro-Mundo.

Em 2013, 800.000 membros no mundo perpetuam o espírito de São Vicente de Paulo e a obra do Bem-aventurado Frédéric Ozanam e de seus amigos, continuando a ajudar os mais desfavorecidos e mantendo sempre viva a mensagem do Cristo.