• Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    30 milhões de pobres no mundo ajudados

  • Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    "Eu gostaria de envolver o mundo em uma rede de caridade"

Voltar à lista

Leituras do domingo 1 de abril

26 Março 2018 Notícias do CGI

Leituras do domingo 1 de abril

Semana de 26 de março de 2018 (referência: leituras do domingo 1 de abril)

Domingo de Páscoa

Leituras: At 10,34.37-43; Salmo 117 (118); Col 3,1-4; Jo 20,1-9

“Se ressuscitastes com Cristo, aspirai às coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus.”

Leitura dos Atos dos Apóstolos

Naqueles dias, Pedro tomou a palavra e disse: «Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia,

a começar pela Galileia, depois do batismo que João pregou: Deus ungiu com a força do Espírito Santo a Jesus de Nazaré, que passou fazendo o bem e curando a todos os que eram oprimidos pelo Demônio, porque Deus estava com Ele.

Nós somos testemunhas de tudo o que Ele fez no país dos judeus e em Jerusalém;

e eles O mataram, suspendendo-O na cruz.

Deus ressuscitou-O ao terceiro dia e permitiu-Lhe manifestar-Se, não a todo o povo,

mas às testemunhas de antemão designadas por Deus, a nós que comemos e bebemos com Ele,

depois de ter ressuscitado dos mortos.

Jesus mandou-nos pregar ao povo e testemunhar

que Ele foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos.

É d’Ele que todos os profetas dão o seguinte testemunho: quem acredita n’Ele,

recebe pelo seu nome a remissão dos pecados.

 

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Colossenses

Irmãos:

Se ressuscitastes com Cristo, aspirai às coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus.

Afeiçoai-vos às coisas do alto e não às da terra.

Porque vós morrestes e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.

Quando Cristo, que é a vossa vida, Se manifestar, também vós vos haveis de manifestar com Ele na glória.

 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi de manhãzinha, ainda escuro, ao sepulcro

e viu a pedra retirada do sepulcro.

Correu então e foi ter com Simão Pedro e com o discípulo predileto de Jesus e disse-lhes:

«Levaram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde O puseram».

Pedro partiu com o outro discípulo e foram ambos ao sepulcro.

Corriam os dois juntos, mas o outro discípulo antecipou-se,

correndo mais depressa do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro.

Debruçando-se, viu as ligaduras no chão, mas não entrou.

Entretanto, chegou também Simão Pedro, que o seguira.

Entrou no sepulcro e viu as ligaduras no chão e o sudário que tinha estado sobre a cabeça de Jesus,

não com as ligaduras, mas enrolado à parte.

Entrou também o outro discípulo que chegara primeiro ao sepulcro: viu e acreditou.

Na verdade, ainda não tinham entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos.

Reflexão vicentina

As palavras-chave das leituras de hoje são: compreender, crer e transformar-se.

Os discípulos não compreendiam e estavam assustados com o que havia acontecido.  Estavam frustrados porque a pessoa que eles tinham seguido por três anos e se dedicado de corpo e alma estava morto.  Parecia que tudo estava acabado.  No evangelho, Pedro aparece como quem não compreendeu bem o que se passou com a morte de Cristo e, por isso, não acredita de imediato na Sua ressurreição.  “Em geral, Pedro representa, nos Evangelhos, o discípulo obstinado, para quem a morte significa fracasso e que se recusa a aceitar que a vida nova passe pela humilhação da cruz. Ele é, em várias situações, o discípulo que tem dificuldade em entender os valores que Jesus propõe, que raciocina de acordo com a lógica do mundo e que não entende que a vida eterna e verdadeira possa brotar da cruz. Na sua perspectiva, Jesus fracassou, pois insistiu – contra toda a lógica – em servir e em dar a vida. Para ele, a doação e a entrega não podem conduzir à vitória, mas sim à derrota; portanto, Jesus morreu e o caso está encerrado. A eventual ressurreição de Jesus é, pois, uma hipótese absurda e sem sentido.”[1]

Será que nós também não nos colocamos nesta posição, muitas vezes?  Não compreendemos a lógica de Cristo, porque não se ajusta à nossa lógica do mundo.  Pensamos: se Jesus morreu, fracassou e está acabado!  Se eu não consegui o sucesso diante dos outros, porque fui bom, porque me sacrifiquei pelos outros, então fracassei e está acabado!

Por isso, Paulo diz na segunda leitura que devemos nos “afeiçoar às coisas do alto e não às da terra”.  Portanto, não dá para entender a salvação da cruz só pela lógica da terra.  Se não nos libertarmos dela, nunca compreenderemos a ressurreição (que, a princípio não parece lógica).

Por estar mais perto de Jesus, o “outro discípulo” compreende o que passou e acreditou.   O “outro discípulo” se identifica com Jesus, ama a Jesus. Ele compreendeu a lógica de Jesus de que a morte (doação) na cruz representa vida e sucesso: ele “viu e acreditou”.  Para ele, tudo fazia sentido (Jesus estava vivo) e, portanto, embarca com Jesus em sua descoberta.

Isto não significa que Pedro seja um pecador (ao contrário, com suas fraquezas, ele foi escolhido como a “pedra fundamental”).  Significa que Deus entende quando não compreendemos sua lógica, porque somos humanos e está sempre aberto a receber-nos quando a descobrimos e passamos a crer nela.

Ao crer, os discípulos se transformam em “homens novos”.   No momento em que Pedro e os outros discípulos acreditaram, passaram a assumir claramente a sua missão de homens transformados que estavam dispostos a fazer qualquer coisa para fazer o que Jesus pedira: testemunhar a Sua vida, morte e ressurreição.  A partir deste momento, Pedro passa a dizer com toda a certeza: “quem acredita n’Ele,

recebe pelo seu nome a remissão dos pecados”, se santifica.

Os apóstolos testemunharam a morte e ressurreição de Cristo e, mesmo assim, muitos duvidaram.  E Jesus os amou com um amor infinito: não os repreendeu, mas confiou neles para levar a sua missão.  Se Ele agiu assim com os apóstolos, imagine então o que faz com o vicentino que deixa o seu conforto e vai visitar o Pobre, com a certeza de que vai ao encontro do Jesus ressuscitado, não do Jesus morto. 

O vicentino vai ao encontro do Pobre para levar-lhe vida, esperança e amor.  Vai compartilhar a sua fé com o Pobre, mostrando a ele que compreende a lógica do alto, mesmo estando com os pés na terra.  A lógica da terra o impediria de deixar o seu conforto: é a fé nas coisas do alto que o move a sair de si mesmo e ir correndo à casa do assistido com a mesma velocidade com que o “outro discípulo” foi ao túmulo de Jesus.  E, ao chegar lá, compreende e crê que a sua visita é mais do que levar o pão; é testemunhar a morte e ressurreição de Cristo.  E ao retornar da visita, o vicentino se transforma, assim como o “outro discípulo” voltou transformado do túmulo: ao deixar o Cristo no coração do Pobre, compreendemos que já não somos os mesmos, porque trazemos o mesmo Cristo no nosso.  Tornamo-nos “homens novos”.

[1] Ver reflexão no website www.dehonianos.org/portal/liturgia-ano-b/