• Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    30 milhões de pobres no mundo ajudados

  • Confederação Internacional

    da Sociedade São Vicente de Paulo

    "Eu gostaria de envolver o mundo em uma rede de caridade"

Voltar à lista

A SSVP na Nova Zelândia : 150 anos de generosidade, serviço e compaixão

03 Novembro 2017 Notícias dos Conselhos Aniversários

A SSVP na Nova Zelândia : 150 anos de generosidade, serviço e compaixão

Situada no oceano índico, no sudeste da Austrália, o ramo neo-zelandês da Sociedade de São Vicente Paulo é talvez aquele que melhor testemunha a dimensão internacional da SSVP : 18.000 km separam este território vicentino do berço parisiense onde a Sociedade foi fundada.

Sua história remonta a 1867, com um padre marista francês : Jean-Baptiste Chataigner. Impregnado pela obra de Frédéric Ozanam, inspirado pelo trabalho da SSVP na França, ele foi a origem da criação da primeira conferência São Vicente de Paulo em Christchurch. 22 membros assistidos por 7 mulheres compunham esta equipe fundadora.

Em 1876, Charles O’Neill, engenheiro escocês e homem de caridade, se junta ao Padre Chataigner. Muito ativo no seio da SSVP da Escócia, ele emigra para a Nova Zelândia e funda em Wellington a primeira conferência a ser agregada oficialmente pelo Conselho Geral. Reconhecido como um dos pais fundadores da Sociedade na Nova Zelândia, ele certamente desempenhou um papel preponderante no desenvolvimento desta no país e foi também um pioneiro da SSVP na Austrália onde ele se instala alguns anos mais tarde.

A SSVP neo-zelandesa de nossos dias

Contando com 135 Conferências e 6000 membros, a Sociedade está presente em todo o território. Ela é uma das organizações caritativas mais importantes do país, e particularmente conhecida pelo grande público por sua grande rede de “lojas solidárias” que propõem artigos de segunda mão a preços baixos. Os benefícios provenientes das vendas servem para financiar as obras sociais da SSVP.

A Sociedade se beneficia também do apoio do clero, com a forte implicação de bispos, de padres e de religiosas que participaram historicamente de seu desenvolvimento. O cardeal Thomas William (antigo arcebispo de Wellington) declarou durante a celebração do 150º aniversário : “Eu estou imensamente orgulhoso da Sociedade, como esteve cada bispo da Nova Zelândia, durante estes 150 anos durante os quais as Conferências e Conselhos foram estabelecidos, diocese por diocese, paróquia por paróquia […] Uma das preocupações constantes para cada bispo é de saber como oferecer aos homens, às mulheres e aos jovens a possibilidade de se engajar no serviço da igreja e da comunidade em resposta ao ensinamento do Cristo. Esta preocupação foi satisfeita de maneira memorável pela Sociedade e seus membros ao longo das últimas décadas.”

Ang : (I am immensely proud of the Society, as is every New Zealand Bishop past and present, over the 150 years-period during which Conferences and Councils were established, diocese by diocese, parish by parish […] A constant concern for every bishop is how to provide opportunities for men, women and youth to commit themselves to serving church and community in response of Christ’s teaching. Their concern has been met in wonderful measure by the Society and its members over the past decades.)

A Sociedade na Nova Zelândia pôde igualmente salientar o grande dinamismo de seus jovens membros, os chamados “young vinnies”. As Conferências de jovens criadas nas escolas e nas universidades permitiram a milhares de jovens de descobrir a vida espiritual e o trabalho da Sociedade de São Vicente de Paulo. Muito implicados no seio de sua comunidade, os young vinnies colocam toda a sua energia para organizar coletas, elaborar projetos para responder às necessidades locais nos pequenos municípios, ou ainda sessões de formação e projetos em maior escala nas aglomerações mais importantes.

As celebrações do 150º aniversário

A cerimônia ocorreu em Christchurch, berço da SSVP neozelandeza, contando com a presença de seus dirigentes, o Presidente Nacional Terry Comber, e muitas personalidades convidadas. O Conselho Geral Internacional foi representado por Frank Brasil (Vice-Presidente Territorial para a Oceania), Thomas Tan (Vice-Presidente Territorial para a Ásia), Tony Muir (Coordenador dos hermanamentos) e Luke Bower (Coordenador Juventude para a Oceania). Estiveram também presentes os representantes dos países hermanados : Sri Lanka, Samoa e Tonga.

Uma missa foi celebrada por Sua Excelência o arcebispo Martin Krebs. A mensagem de felicitações do Presidente Geral Renato Lima de Oliveira, em visita à Nova Zelândia há alguns meses, foi projetada em uma grande tela durante a cerimônia.